quinta-feira, 27 de outubro de 2016

A girafa que comia estrelas

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Memórias

Com um enorme agradecimento a Fernando Moital!

"No Jardim do Mundo"
autor: Fernando Moital

Bom domingo!

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Os Miúdos a Quem Dói a Alma

Nas últimas semanas tenho tido várias conversas com educadores e professores e, independentemente do pretexto para o seu início, os diálogos vão quase sempre parar aos prolemas que os miúdos, mais novos ou mais velhos, vão mostrando.
Os tempos estão difíceis e crispados para boa parte dos adultos, incluindo naturalmente os educadores, e para os miúdos a estrada também não está fácil de percorrer. 
Alguns vivem, sobrevivem, em ambientes familiares disfuncionais que comprometem o aconchego do porto de abrigo, afinal o que se espera de uma família. 
Alguns percebem, sentem, que o mundo deles não parece deste reino, o mundo deles é um bairro insustentável que, conforme as circunstâncias, é o inferno onde vive ou o paraíso onde se acolhe e se sente protegido. 
Alguns sentem que o amanhã está longe de mais e um projecto para a vida é apenas mantê-la. Alguns convencem-se que a escola não está feita para que nela caibam. 
Alguns sentem que podem fazer o que quiserem porque não têm nada a perder e muito menos acreditam no que têm a ganhar.
Alguns outros vivem em famílias em que aparentemente não (lhes) falta nada … a não ser o essencial, afecto, tempo, disponibilidade.
Alguns outros ainda vivem meio abandonados, quase entregues a si próprios mesmo no meio da família.
Alguns destes miúdos, sobretudo os mais novos, vão carregar para a escola uma dor de alma que sentem mas não entendem, por vezes. A escola também sente, naturalmente, dificuldade em ler e ajudar estas crianças, falta o tempo sobra o currículo, faltam os apoios sobra a burocracia, falta o tempo sobra uma eternidade na escola, etc.
Não, não tenho nenhuma visão idealizada dos miúdos, nem acho que tudo lhes deve ser permitido ou desculpado e também sei que alguns fazem coisas inaceitáveis e, portanto, não toleráveis.
Só estou a dizer que muitas vezes a alma dói tanto que a cabeça e o corpo se perdem e fogem para a frente atrás do nada que se esconde na adrenalina dos limites.
Espreitem a alma dos miúdos, sem medo, com vontade de perceber porque dói e surpreender-se-ão com a fragilidade e vulnerabilidade de alguns que se mascaram de heróis para uns ou bandidos para outros, procurando todos os dias enganar a dor da alma.

Texto de Zé Morgado

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Escola a mais, pais a menos

Três meses volvidos sobre o início de funções do Governo, temos, na Educação, um Orçamento de Estado pior que o último de Passos Coelho e umas Grandes Opções do Plano para 2016-2019 (Proposta de Lei n.º 11/XIII) que não são melhores. Se não é claro quem manda no ministério da Educação, é já claro quem não manda, apesar de algumas tiradas fanfarrãs e pouco respeito por quem pensa diferente. Decididamente, António Costa menosprezou a Educação e resolveu-a protegendo a impreparação do ministro com a sombra tutelar de Maria de Lurdes Rodrigues. Cruzando o orçamento com as opções, resultam projectadas para a legislatura (se o Governo a concluir) medidas sem dinheiro para as pagar e persistência em bandeiras erradas do PS de outros tempos. Um bom exemplo é o alargamento da “Escola a Tempo Inteiro” (permanência na escola das 08.30 às 19.30) a todos os alunos do ensino básico, que já estava no programa do Governo e é reafirmado nas Grandes Opções do Plano (pág. 110).

A falta de tempo para os pais se dedicarem ao crescimento dos filhos é um problema social real e grave. Mas encontrar pais de substituição (professores e outros técnicos) e lar alternativo (escola) é acrescentar ao primeiro um segundo problema. A este propósito, o défice de conhecimento do Governo é preocupante quando lamenta (pág. 20 das opções) que a taxa de “escolarização efectiva (sic) antes dos três anos” seja apenas de 45,9%. E quando se regozija, a seguir, por essa taxa ficar “claramente acima dos 27,7 % da Finlândia”. Isto é, o PS ainda não percebeu que, no caso vertente, taxa baixa é melhor que taxa alta. E não percebeu porque insiste no desígnio, pedagógica e socialmente aberrante, de nacionalizar as crianças e facilitar a escravização dos pais. Perceberá o PS que, na sociedade que defende, cada vez mais as crianças não são crianças? Que não têm tempo para brincar livremente, a actividade mais séria do seu crescimento? Que mais escola não significa melhor educação? Que a falta de presença e disponibilidade dos pais impede a consolidação dos laços afectivos profundos, que caracterizam a relação pais/filhos? Que essa ausência dificulta o desenvolvimento da personalidade das crianças, o qual requer figuras claras de referência? Que só cresce a necessidade de mais berçários porque aumenta o peso do trabalho desregulado e mal pago? Que a prevalência dos interesses profissionais sobre o direito ao bem-estar mental das crianças tem reflexos nefastos no futuro de todos nós?

Só há uma maneira de encarar isto e a alarmante baixa taxa de natalidade, geradora de um saldo demográfico persistentemente negativo, qual seja a de proteger verdadeiramente as crianças e a maternidade, admitindo novas formas de organização do trabalho e reduzindo a carga horária de um dos progenitores, pelo menos, até que os filhos concluam o ensino básico. Como fazem os países mais avançados, que há muito concluíram, à luz da abundante produção científica sobre psicologia do desenvolvimento, que resulta inaceitável guardar crianças na escola em jornadas contínuas de 10 a 12 horas, como já hoje se verifica em muitos casos.

É tempo de trazermos a debate modelos alternativos de organização do trabalho e de fixação dos seus horários. Não são só os escolhos postos à maternidade que o justifica. São, também, os problemas suscitados pelo desemprego persistente, pela natureza cada vez mais precária do emprego, pelo crescimento do peso das mulheres no preenchimento do trabalho disponível e pelo aumento constante do tempo de vida, sem reflexo satisfatório na percepção da utilidade social dos mais idosos, que não podem, não devem nem aceitam ser reduzidos a simples fardos da sociedade. É, também, ainda, a necessidade de encarar e resolver um paradoxo inaceitável: se a crise atirou uns para a inactividade, obrigou outros, muitos, a dupla actividade, paga a preço singelo.

Não fora isto determinante e, mesmo com técnicos qualificados em trabalho não curricular e recursos que não existem (se a iniciativa custou em 2006, só para o 1º ciclo do básico, cerca de 100 milhões de euros, em quanto importaria hoje para um universo de quase 900.000 alunos?), a tipologia dominante na organização dos espaços das escolas, que é a sala de aula, inviabilizaria a generalização proposta. Faltam ginásios, recintos desportivos de ar livre e espaços para actividades expressivas (teatro, música, artes plásticas, etc.), pelo que não nos iludamos: a persistir no erro, duplicaremos apenas, sem sucesso, actividades rígidas, de cariz escolar. E porque os níveis de desenvolvimento são diferentes, reter em reclusão tão prolongada adolescentes do 9º ano pode provocar episódios reactivos que não se verificam com crianças do 1º ciclo.


Professor do ensino superior
(s.castilho@netcabo.pt)

in Público 

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Tabela de dupla entrada na adição


domingo, 21 de fevereiro de 2016

Lengalenga / Casamento

 Utilizei as cores baseando-me no método Distema.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Como Ensinar Matemática com peças de Lego


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Os ditongos a cantar - As canções da Maria - Maria de Vasconcelos

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Quanto vale um Professor?

Eis uma pergunta com múltiplas respostas.

Perguntem a pais cujos filhos estão/estiveram sem professor(es) semanas a fio. Valerão muito, certamente (pelo menos nessas semanas). Sentem a matéria a ficar para trás e que os filhos vão ficar prejudicados nas aprendizagens correspondentes aos programas. E sabem, também, que esse atraso poderá ter repercussões nos anos vindouros, principalmente em disciplinas em que os conhecimentos se articulam e os seguintes carecem da aquisição dos anteriores (exs.: matemática ou línguas estrangeiras). Vão também ficar em desigualdade nos exames.

Perguntem aos estudantes. As respostas podem variar de acordo com os docentes e as disciplinas que lecionam, mas estou em crer que darão respostas favoráveis sobre o valor dos seus professores.

Perguntem aos governantes, não apenas aos atuais, mas também aos que os antecederam. Ou será mesmo preciso perguntar para obter resposta? Basta ouvir os seus discursos, ler/ouvir as suas declarações nos meios de comunicação social ou atentar nas medidas que têm vindo a tomar. Os professores surgem como preguiçosos com muitas férias e poucas horas de trabalho; incompetentes que não querem prestar provas dos seus conhecimentos e aptidões em exames (apesar – acrescento meu, não desses governantes - da sua formação profissional feita em instituições e cursos avalizados pelos sucessivos Ministérios da Educação); incompetentes e corporativos, que não querem ser avaliados.

Insistam em perguntar aos pais. Ouvirão múltiplas respostas, muitas vezes vindas da mesma pessoa. “Sim, é certo que têm muito valor. Basta ver a falta que estão a fazer/fizeram. Basta ver como se dedicaram na ajuda ao meu filho no ano passado. Mas… trabalham tão poucas horas! Mas… têm tantas férias…”

Todos os dias abrimos os jornais e lemos as histórias dramáticas de professores (poucos, tem dito o MEC) que vivem/viveram recentemente na incerteza não apenas de terem trabalho ou do local onde ele seria, mas também de como poderiam organizar a sua vida familiar, incluindo a educação e a escolaridade dos seus filhos. Sim! Os professores também têm filhos, que também têm direito a família e a educação estável em escola pública. Todos os dias vimos como esses professores, à medida que iam sendo colocados e, de casa às costas e reorganizando a sua vida, não deixavam de se preocupar com a recuperação do atraso dos alunos.

O que os pais, os alunos e a sociedade não veem é outra enorme fonte de desgaste dos professores: o trabalho invisível que fazem.

Muito desse trabalho é importante e indispensável: análise do perfil e dos problemas das suas turmas e/ou de alunos específicos e definição de estratégias (individualmente ou com os outros professores da turma, de modo informal ou em reuniões), tarefa que requer, muitas vezes, pesquisa e estudo, articulação com os vários serviços e recursos da escola e até contacto com instituições exteriores a ela; preparação de aulas, preparação e correção de testes e outros instrumentos de avaliação.

É também invisível o trabalho feito nas pretensas férias: reuniões de avaliação, vigilância e correção de exames, matrículas e muitas outras tarefas.

Muito desse trabalho, contudo, é revoltante pelo que de improdutivo tem; é a burocracia que grassa nas escolas: os documentos enormes, exaustivos e repetidos, em que a informação se multiplica sob formatos variados. Vivemos uma época de prestação de contas em que o sufoco com a justificação das atividades, a prova da sua concretização e a avaliação da sua qualidade asfixiam a energia e o tempo para desenvolver as próprias atividades, sejam elas aulas, visitas de estudo ou outras. Como pode um professor não se sentir revoltado, amargurado, desgastado e frustrado por ter de ocupar mais tempo a justificar o trabalho que interessa que faça, do que a fazer esse trabalho, ou seja, a ser realmente professor? E como pode não se sentir amargurado por o seu valor social estar tão degradado pela imagem que dos professores vai passando a tutela?

Quanto vale um professor? Deixo essa resposta à consciência de cada um, como, igualmente à consciência de cada um, deixo a forma como recolherá dados para responder de modo informado e esclarecido.


"Armanda Zenhas"
in educare 

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Estratégia de Cálculo na Adição

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Eu adoro todas as coisas

Eu adoro todas as coisas
E o meu coração é um albergue aberto toda a noite.
Tenho pela vida um interesse ávido
Que busca compreendê-la sentindo-a muito.
Amo tudo, animo tudo, empresto humanidade a tudo,
Aos homens e às pedras, às almas e às máquinas,
Para aumentar com isso a minha personalidade.
Pertenço a tudo para pertencer cada vez mais a mim próprio
E a minha ambição era trazer o universo ao colo
Como uma criança a quem a ama beija.

Eu amo todas as coisas, umas mais do que as outras,
Não nenhuma mais do que outra, mas sempre mais as que estou vendo
Do que as que vi ou verei.
Nada para mim é tão belo como o movimento e as sensações.
A vida é uma grande feira e tudo são barracas e saltimbancos.
Penso nisto, enterneço-me mas não sossego nunca.

autor: Álvaro de Campos/heterónimo de Fernando Pessoa

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Soluções rápidas

Seria estranho que, num mundo em que tudo tem de ser para ontem, não se vivesse à procura de soluções rápidas. Espreitemos o que se passa nas escolas…. As crianças não aprendem ao ritmo esperado, não param quietas, não se concentram, não respeitam os adultos: qual a solução atual? Ir ao médico. O número de crianças com as “doenças” acima referidas parece ter aumentado exponencialmente e a ida ao médico parece ser cada vez mais a solução encontrada.

"Se tempo é dinheiro,
Eu vou gastá-lo contigo,
Até porque tempo é tudo o que tenho p´ra te dar
E eu acho que o mundo inteiro, concorda comigo (…)”


A letra desta música dos Agir constituiu um corte com a realidade atual, sobretudo em famílias em cujo ciclo de vida estão integradas crianças em idade escolar. O que menos temos é tempo para dar. A correria começa com o toque do despertador, pois é preciso ir trabalhar e na escola as crianças deixar. A chegada a casa após um dia de trabalho também não implica paragem, salvo em véspera de fim de semana, porque a ditadura do relógio não termina e a hora de dormir chega de uma forma assustadoramente rápida.

Seria estranho que, num mundo em que tudo tem de ser para ontem, não se vivesse à procura de soluções rápidas. Espreitemos o que se passa nas escolas…. As crianças não aprendem ao ritmo esperado, não param quietas, não se concentram, não respeitam os adultos: qual a solução atual? Ir ao médico. O número de crianças com as “doenças” acima referidas parece ter aumentado exponencialmente e a ida ao médico parece ser cada vez mais a solução encontrada. Uma vez que ninguém consegue resolver rapidamente os problemas referidos, o melhor é ir rapidamente ao local onde os químicos, habitualmente o Rubifen, a Ritalina ou o Concerta, poderão ajudar, ajudar e rápido.

Para muitos adultos, o problema das crianças só pode estar no cérebro ou em alguma disfunção bioquímica. Colocar hipóteses alternativas - como metas desajustadas, falta de estudo, escassez de regras, privação de sono e carência de tempo para amadurecer -, frequentemente não ocorre. Vivemos num tempo em que não há tempo para procurar os motivos, pois o mais importante é encontrar rapidamente soluções e, claro, soluções que não obriguem a repensar as rotinas já instaladas. A solução “médico” foi precedida da solução “psicólogo”, mas esta última parece ter caído um pouco em descrédito, porque não é compatível com a pressa atual e, por vezes, coloca desafios de mudança, sobretudo ao nível do micro (por exemplo, família, escola, relação entre colegas e amigos) e do mesossistema (por exemplo, relação família – escola, família – grupo de amigos), o que torna a mudança mais complexa e não tão imediata. De qualquer forma, continuam a chegar à escola relatórios de psicólogos, que relatam os resultados a que chegaram mediante a aplicação de um ou vários testes estandardizados. Percebe-se, pelo conteúdo dos mesmos, que houve pouco tempo para conhecer a criança e que a aplicação de testes vem de encontro ao pedido dos pais, que sentem desesperadamente necessidade de levar algo para a escola que mostre que são preocupados e que o problema da sua criança está em algum défice que ela apresenta e relativamente ao qual não têm responsabilidade direta.

Curiosamente, quer os relatórios médicos quer os psicológicos apresentam habitualmente como solução para os problemas, medidas de âmbito pedagógico e sugerem frequentemente a integração no “milagroso” Decreto n.º 3/2008, de 7 de janeiro. Ou seja, os profissionais de saúde remetem para a escola o que claramente é de âmbito escolar e não médico, embora muitas vezes sugiram um “remédio” também “milagroso”, a rotulagem da criança como tendo “necessidades educativas especiais”. Note-se que, muitas vezes, são os professores que aconselham os pais a recorrerem aos médicos, porque também eles são alvos de muita pressão para que as crianças aprendam e aprendam rápido. O relatório, ao atestar um qualquer défice, vem assim demonstrar que o problema não está nos adultos, mas sim na criança e no tal défice que apresenta, tendo, por isso, de ser alvo da prescrição médica, normalmente de psicoestimulantes, a que já fiz referência atrás.

Apesar de algumas crianças serem, sem dúvida, por vezes, verdadeiramente insuportáveis, elas são o elo mais fraco e os adultos procuram diminuir as suas angústias deixando-se manipular por soluções imediatas e por uma indústria farmacológica poderosa. Sabia os psicoestimulantes já esgotaram nas farmácias portuguesas?



Psicóloga Adriana Campos

Bom fim de semana

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Estratégias de Cálculo na Divisão


quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

O Alfredinho


terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Bom Carnaval

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Zeca Afonso - Canção de Embalar

sábado, 6 de fevereiro de 2016

The Sound of Silence

É Carnaval, e estão as ruas cheias

É Carnaval, e estão as ruas cheias
De gente que conserva a sensação,
Tenho intenções, pensamento, ideias,
Mas não posso ter máscara nem pão.
Esta gente é igual, eu sou diverso —
Mesmo entre os poetas não me aceitariam.
Às vezes nem sequer ponho isto em verso —
E o que digo, eles nunca assim diriam.
Que pouca gente a muita gente aqui!
Estou cansado, com cérebro e cansaço.
Vejo isto, e fico, extremamente aqui
Sozinho com o tempo e com o espaço.
Detrás de máscaras nosso ser espreita,
Detrás de bocas um mistério acode
Que meus versos anódinos enjeita.
Sou maior ou menor? Com mãos e pés
E boca falo e mexo-me no mundo.
Hoje, que todos são máscaras, és
Um ser máscara-gestos, em tão fundo...

"Álvaro de Campos" - Livro de Versos . Fernando Pessoa. Lisboa: Estampa, 1993. 

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Tocar um Instrumento Musical Beneficia o Cérebro

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Georges Moustaki - Le Métèque

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Donald no País da Matemágica

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Subtração com Empréstimo

domingo, 31 de janeiro de 2016

Lengalenga_sola, sapato...


Adivinha


" Hino dos Mineiros-Aljustrel "

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

A Dezena




segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Semana da Preguiçosa


sábado, 23 de janeiro de 2016

Bom fim de semana!!!

23% dos profissionais da educação já viveram situações de stress agudo


Federação Nacional da Educação quer que a lista nacional de doenças profissionais seja atualizada e que as escolas tenham delegados de saúde. Depois de uma campanha e de um diagnóstico, defende que o stress e os problemas de voz devem fazer parte dessa lista.

O stress deve ou não integrar a lista de doenças profissionais dos professores? A Federação Nacional da Educação (FNE) diz que sim e defende essa inclusão com todas as letras num caderno reivindicativo que enviou ao Ministério da Educação (ME), no mês passado. Problemas na voz e lesões musculoesqueléticas também preocupam a classe docente no exercício das suas funções. Estudos recentes indicam que 30% dos docentes portugueses têm níveis elevados de burnout, 20% apresentam níveis médios, e que o impacto económico dos problemas da voz é muito significativo.

Durante sete meses, a FNE desenvolveu a Campanha Nacional da Saúde para chamar a atenção para questões críticas relativas ao dia a dia dos profissionais da educação. “Partimos para esta ação na convicção de que se torna necessário que todos os atores disponham do máximo de conhecimentos indispensáveis para agirem sobre as condições de trabalho e melhorarem a proteção da saúde nos seus locais de trabalho”, explicou, na altura, a FNE. As sessões passaram por Lisboa, Mafra, Viseu, Coimbra, Aveiro, Porto, Faro, Évora, Santarém, Funchal, Angra do Heroísmo, Ponta Delgada e Horta.

Nesses encontros, foram feitos questionários. Os dados estão compilados e as situações de stress agudo nas escolas saltam à vista em 223 questionários validados. Nesta área, 23,3% dos profissionais que trabalham nas escolas revelam que já experienciaram situações agudas de stress profissional, 17,4% afirmam desconhecer os fatores de risco a nível profissional que podem gerar stress e 38,5% dizem desconhecer a síndrome de burnout - 43,9% admitem mesmo ignorar os sintomas de burnout.

Uma percentagem significativa de 85% admite que até à campanha promovida pela FNE não tinham tido qualquer formação sobre a questão do stress em educação. Os fatores de risco, a nível profissional, que podem gerar stress estão identificados. Turmas com muitos alunos, elevada carga horária, alterações permanentes na organização do sistema educativo, incerteza profissional, indisciplina, burocracia, competição, mau relacionamento profissional, excessiva extensão dos programas, são alguns desses fatores.

Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas (ANDAEP) e diretor do Agrupamento de Escolas Costa Matos, em Vila Nova de Gaia, garante que o stress se sente nas escolas. “A profissão docente é uma profissão muito específica e o stress sente-se perfeitamente, não tanto por parte dos mais velhos, mas daqueles que dão aulas há alguns anos”, refere ao EDUCARE.PT. “Stress na docência sente-se cada vez mais, as turmas são maiores, os alunos e os pais são mais exigentes, a burocracia é cada vez maior, e o horário escolar vai muito para além das 40 horas”, sublinha.

Delegados de saúde nas escolas
No questionário da FNE relativamente aos problemas de voz, a maioria dos inquiridos respondem que, por vezes, sentem que a voz piora à noite e um número significativo conta que têm passado por situações em que tem dificuldade de se fazer ouvir em ambientes ruidosos. Em relação às lesões musculoesqueléticas, 50% dos inquiridos revelam que já faltaram ao trabalho por esse tipo de problemas e 95% afirmam que os problemas de saúde estão frequentemente relacionados com as condições de trabalho.

Paula Carqueja, presidente da Associação Nacional de Professores (ANP), concorda com a FNE e defende que os problemas de voz que afetam os professores devem voltar a ser considerados doença profissional. “A voz é um instrumento de trabalho dos professores”, diz ao EDUCARE.PT. Há fatores que contribuem para o desgaste nesta profissão. “A instabilidade profissional, o ambiente, a idade da reforma que foi aumentada”, enumera. E as constantes mudanças desestabilizam projetos de vida dos professores. Por outro lado, Paula Carqueja alerta para a situação dos educadores de infância que têm de se adaptar ao mobiliário que, muitas vezes, é feito à medida dos mais novos. Mesas, cadeiras, e móveis mais pequenos obrigam as costas a dobrarem-se mais do que deviam, obrigam a ter o corpo à altura das crianças. Posições que podem originar complicações de saúde a quem tem de se mover alguns centímetros mais abaixo.

Informação disponibilizada, sensibilização feita, trabalho de diagnóstico terminado, a FNE defende que elevados níveis de stress docente exigem alterações na lista de doenças e apresenta várias sugestões à tutela. Além dessa atualização, sugere uma entrevista médica anual gratuita a todos os trabalhadores da educação para deteção de problemas de saúde, particularmente os que decorrem do exercício da atividade profissional. A FNE defende que todas as escolas devem eleger delegados de saúde e segurança no trabalho com efetiva capacidade de intervenção para, desta forma, denunciarem e corrigirem condições de trabalho que ponham em risco os profissionais.

A FNE pretende que haja um novo paradigma de prevenção centrado nas doenças profissionais e não só nas lesões no trabalho. A inclusão dos temas saúde e segurança no trabalho na formação inicial dos professores e uma formação contínua nessas áreas para todos os profissionais da educação são outras sugestões que apresenta. Envolver pais e alunos na promoção de uma cultura de saúde e segurança na comunidade escolar é outro aspeto que valoriza.

A Federação Nacional dos Professores (FENPROF) vai abordar o stress na profissão docente a 2 de fevereiro no anfiteatro do edifício novo da Assembleia da República, das 14h30 às 18h. Ivone Patrão e Marcelino Mota, psicólogos clínicos, falarão sobre causas e consequências desse stress e medidas a tomar. Os grupos parlamentares estão convidados a assistir e a participar. A FENPROF quer que o stress e o burnout de quem trabalha nas escolas sejam esmiuçados por quem estuda e percebe a matéria. Mário Nogueira, secretário-geral da FENPROF, lembra que cerca de 30 mil pessoas assinaram uma petição que defende um regime excecional de aposentação para a classe docente. “Hoje os professores não têm qualquer tipo de proteção por causa das doenças profissionais”, refere ao EDUCARE.PT. “Não há uma lista de doenças profissionais”, acrescenta.

Sara R. Oliveira
in educare 

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

UM FELIZ 2016!

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Felicidade - Dicionário de Valores


Urge converter as nossas escolas em espaços de bem-estar, onde não se fragmente a realidade nem se banalizem os gestos de humanidade. Um ambiente caracterizado pela serenidade, pelo cuidar da relação.


O Guardian publicou um estudo da London School of Economics no qual se defende que o principal objetivo das escolas deverá ser o de ajudar a criar pessoas bondosas e felizes. O estudo recomenda que se intensifique a educação moral dos jovens, mostrando-lhes que a felicidade não se alcança quando se concebe o mundo como objeto de satisfação pessoal, mas quando existe preocupação pelo bem-estar do próximo.
Um recente inquérito, realizado junto de pais de alunos de Belo Horizonte, confirma a conclusão do estudo. Inquiridos sobre aquilo que mais desejavam que a escola desse aos seus filhos, os pais responderam: mais do que aprender conteúdos, que também é preciso aprender, queremos que os nossos filhos sejam felizes na escola.

A resposta maioritária só surpreenderá quem não conheça, por dentro, as escolas que ainda temos. Nelas reina a obsessão por uma competitividade que deteriora a relação e produz solidão, que o mesmo é dizer: infelicidade.

Em contraste com o desejo explicitado pelos pais dos alunos, os projetos político-pedagógicos (PPP) raramente se referem à felicidade como valor ou objetivo a alcançar. E as práticas predominantes vão em contramão relativamente a esse desiderato. Diz-nos Ortenila Sopelsa que “dificilmente encontramos uma criança com idade escolar que não anseie em entrar na escola, cheia de sonhos e fantasias. Mas a grande maioria das crianças sente a escola como algo que oprime, ridiculariza e discrimina”.

Urge, pois, converter as nossas escolas em espaços de bem-estar, onde não se fragmente a realidade nem se banalize os gestos de humanidade. Um ambiente caracterizado pela serenidade, pelo cuidar da relação. Numa relação de um Eu com um Tu, na qual o professor seja aquilo que é, seja tão autêntico quanto for possível e o Tu não seja tomado por mero objeto. Infelizmente, muitos pais agravam ainda mais os efeitos de uma escola desumanizada, quando convencem a prole de que a felicidade é um direito adquirido e de que os filhos de tudo são merecedores sem esforço, quando a felicidade não depende daquilo a que, apenas por estarmos vivos, temos direito e nos falta, mas do bom uso que fazemos daquilo que temos. Num tempo de inflação hedonista, torna-se premente a tarefa de aprender a saber lidar com as frustrações pessoais.

Atingimos um estado de espírito, que pode ser considerado de felicidade, quando aliamos realização pessoal à aprendizagem das coisas, em comum concretizadas – a minha realização é realização com os outros.

Felicidade é fazer amigos, dar-se sem medida, aceitar e ser aceite, viver em harmonia consigo e com os outros.

“Vamos fazer uma escola feliz” foi o nome que as crianças deram ao primeiro jornal escolar da Escola da Ponte.

Com os alunos, compreendemos que há muitos modos de fazer escolas felizes. O Nélson chegava à escola pontualmente atrasado. Mas, naquele dia, somente se dignou a chegar no fim da manhã. Quis saber a razão de tamanho atraso. O Nélson esclareceu:
— Olha, professor, esta noite, ninguém conseguiu dormir lá em casa. Os ratos roeram uma orelha do meu irmão mais pequenino. Ele estava cheio de sangue, gritou muito, e a minha mãe foi com ele para o hospital. Eu tive de cuidar dos meus irmãos, até ela voltar...
— Mas porque não ficaste em casa, a descansar? Porque vieste para a escola, amigo Nélson? – perguntei.
— Olha, professor, eu vim para a escola porque quando venho para a escola, pelo caminho, sinto uma coisa aqui dentro... Olha, professor, o que eu sinto aqui dentro parece mesmo... alegria!

JOSÉ PACHECOMestre em Ciências da Educação pela Universidade do Porto, foi professor da Escola da Ponte. Foi também docente na Escola Superior de Educação do IPP e membro do Conselho Nacional de Educação.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Uma criança sem limites


                      Pediatra Mário Cordeiro
                      in Pais&Filhos

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Os trabalhos de casa são necessários?



                       Psicólogo Eduardo Sá   
                       in Pais & Filhos

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

BOAS FESTAS!!!


sábado, 15 de novembro de 2014

Goodlying

O Goodlying, de uma forma muito sucinta, é a prática do BEM em cadeia.
Algo que deveríamos praticar e incentivar nos nossos alunos, e não só.
Trata-se de uma questão de atitude e valores, onde todos ficaríamos,
certamente, a ganhar. Basta tentarmos.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Alunos portugueses têm das mais pesadas cargas horárias no 1.º ciclo

Tal como se passa com os adultos na sua vida profissional, os nossos miúdos estão mais tempo na escola que os alunos da maioria dos países europeus. Estamos no tempo da "escola a tempo inteiro".
No entanto, ainda há quem insista que os miúdos trabalham pouco, não devem brincar.
O tempo passado na escola é apenas uma variável entre muitas que influenciam a qualidade do trabalho. Assim sendo, mais tempo na escola não significa melhores resultados escolares.
Por isso, a mais séria reserva com a ideia de uma "escola a tempo inteiro" que deveria transformar-se num objectivo de educação a tempo inteiro na qual o trabalho no tempo "escolar" fosse potenciado com os recursos necessários, com currículos e apoios adequados, com autonomia escolar a sério, etc.
Não seria preciso mais tempo global se tivéssemos melhor tempo e melhor distribuído, no ensino da Língua Portuguesa, por exemplo, a mãe de todas aprendizagens.

Texto de José Morgado

sexta-feira, 25 de julho de 2014

A ditadura dos mais pequenos

Não obrigue a criança a comer nada: se não quiser comer a sopa, passar ao prato feito com tudo o que é necessário, goste ou não goste. Se não comer tudo, retirar o prato sem comentários e passar à fruta. Se também não quiser comer, proceder do mesmo modo, sem críticas nem alusões ao facto. Ninguém faz uma guerra sozinho...

Na semana passada, mais uma vez, fiz uma consulta a uma senhora que, assim que entrou, frisou que a consulta seria para ela, mas que começaria por falar do filho de 3 anos com quem estava seriamente preocupada, uma vez que tinha feito umas análises que indicavam vários parâmetros baixos que ela atribuía a uma alimentação deficiente. Lá me foi relatando que a criança não comia carne, nem peixe, nem ovos, nem pão, nem batatas, nem leguminosas, nem hortícolas, nem fruta, etc., etc.. Não gostava de nada a não ser de bolachas (mas não Maria ou de água e sal), leite, iogurtes e chocolate.
Como é invulgar uma criança não gostar de tantas coisas em simultâneo, lá fui, diplomaticamente, fazendo perguntas que nos permitissem chegar a alguma conclusão. E, simultanemente, falando de algumas generalidades sem as particularizar:

- da tendência de obrigar as crianças a comerem as quantidades de comida que as mães idealizam como as ideais - as mães mais gordas põem mais comida no prato dos filhos porque normalmente calculam “a olho” em função do que elas próprias comem...;

- de quererem incutir nas crianças hábitos como o de comer sopa, que os próprios pais não praticam;

- de usarem a comida como castigo ou recompensa: “Se não comeres sopa, não comes sobremesa”;

- de permitirem que as crianças não comam, mas cedam facilmente a dar-lhes bolachas logo a seguir à refeição com a chantagem do “mãe, tenho fome” e com o medo de que morram por isso;

-de vincarem os seus gostos pessoais e moldarem o comportamento das crianças em função deles. Quando a criança não gosta de um alimento e o pai gosta, obriga-a a comer até ao fim. Mas se o pai não gostar, discute com a mãe para que ela não o obrigue. E vice-versa. E, de repente, a criança está fora de toda a discussão, conseguindo aquilo que queria, que era chamar a atenção sobre a sua pessoa;

- de se focar excessivamente sobre a comida, o que torna as refeições sofridas e desgastantes. Quando chega a hora de ir para a mesa, a criança já sabe que vai passar um mau bocado, em vez de um momento agradável em família;

- de haver muitas distrações como televisão ou jogos de ipad, que impedem conversas e um convívio normal e salutar entre os membros da família.

Sem que sequer adivinhasse o que se passava naquela casa, percebi pelos movimentos afirmativos de cabeça com que anuía à minha dissertação, que muito do que eu dizia se confirmava naquele caso particular.

Soube também que a dita criança só iria para o infantário no próximo mês de setembro, tendo estado até lá e durante a semana, sob a guarda de uma avó que, tal como a mãe, receia que ela morra à fome - apesar do pediatra lhe dizer vezes sem conta que uma criança só morre de fome se não tiver acesso aos alimentos - e que por isso lhe dá todas as guloseimas que exige. Se não come às refeições, dão-lhe bolachas ou chocolate e por isso volta a não comer na refeição seguinte.

E como contornar o problema, perguntarão?

A conclusão a que ambas chegámos é que é urgente mudar de estratégia! E que técnica usar?

- Não falar de comida às refeições;

- Não obrigar a criança a comer nada: se não quiser comer a sopa, passar ao prato feito com tudo o que é necessário, goste ou não goste. Se não comer tudo, retirar o prato sem comentários e passar à fruta. Se também não quiser comer, proceder do mesmo modo, sem críticas nem alusões ao facto. Ninguém faz uma guerra sozinho...

Persistir ao longo dos dias e resistir às bolachas, ao leite ou aos iogurtes. Esta criança ingeria um litro de leite por dia e mais dois iogurtes, quando a porção para a sua idade seria o equivalente a um copo de leite (250 ml) e dois iogurtes...

Recomendei sobretudo que não vacilasse, e que pedisse ajuda ao marido nesse sentido. A resposta foi que o marido era muito condescendente e que se o filho não quisesse comer ele anuía. Ela é que era obcecada com o assunto. Aconselhei-a, em primeiro lugar, a aceitar junto do marido, com humildade e sem orgulho, que ele sempre tinha alguma razão e que juntos podiam melhorar o comportamento deste seu “difícil” rebento.

Sugeri mais atividades em conjunto como dançar com ele em casa durante a semana em vez de ir ao ginásio, andar de bicicleta, ir ao parque da cidade ao fim de semana. Enfim, focar a atenção noutra coisa que não seja a comida.

Após quase hora e meia de consulta e porque tinha já uma outra cliente à espera há algum tempo, disse-me que viria noutra altura para ela própria perder um pouco de peso. Vai ficar admirada comigo doutora, é que eu também sou muito esquisitinha. A minha mãe diz que eu estou agora a pagar o que a fiz sofrer...
 

PAULA VELOSO Nutricionista e autora de Dietas sem Dieta, Dieta sem Castigo e Peso, uma questão de peso
in Educare

domingo, 20 de julho de 2014

Momentos #1


segunda-feira, 30 de junho de 2014

BOAS FÉRIAS!!!!



terça-feira, 27 de maio de 2014

Pedro Strecht: "As crianças precisam de paz"

Preservar os mais novos das discussões e dos conflitos é bom para toda a família. Saiba como actuar.

O número de casais portugueses que se separa tem vindo a aumentar de ano para ano. Com a última alteração à lei do divórcio as estatísticas registaram mais divórcios que casamentos. Pedro Strecht, pedopsiquiatra, diz que no seu consultório recebe muitos pedidos de ajuda e de aconselhamento. Por isso decidiu escrever um livro, a que chamou 'Dá-nos a Paz', publicado pela Assírio & Alvim, onde responde às principais dúvidas dos casais que passam por um divórcio onde existem filhos. Aqui ficam algumas das dúvidas que com mais frequência lhe chegam.

É melhor evitar a todo o custo uma separação só para se manter a imagem de uma família unida? Há pais que prolongam demasiado situações irreversíveis para as suas vidas, atingindo, por vezes, o limiar do insuportável, só para manter uma ideia de família nuclear, não importa a que preço. Nunca é bom prosseguir situações que não são verdadeiras e que fragilizam emocionalmente.

Mesmo quando se julga estar a actuar no superior interesse das crianças? É sempre negativo viver cenários de mentira e fachada. Isso pode deixar os mais novos desprotegidos perante a possibilidade de interiorização de modelos de relação patológicos, existindo o risco de se desenvolver a imagem de um pai ou uma mãe demasiado impulsivo ou agressivo ou, pelo oposto, excessivamente frágil e indefeso. Se os pais não estão bem na relação mútua, também não estão suficientemente fortes e disponíveis para os filhos. É útil lembrar que os filhos não são almofadas psíquicas que sirvam para amparar episódios repetidos de mal-estar, agressividade ou conflito entre os pais. As crianças não devem ser pretextos para desculpas ou inexistência de decisões que competem aos adultos tomar. Em casos de vivências diárias muito complexas ou negativas para o equilíbrio dos mais novos, uma separação pode ser, potencialmente, um alívio ou solução do problema.

Qual a melhor altura para comunicar a separação? Não existe o momento ideal. A questão do tempo é algo que deve dizer respeito à vida dos adultos e à sua capacidade para sentirem que são capazes de o fazer.

Há alturas em que as crianças e adolescentes podem ser poupados à revelação da situação? Por exemplo, momentos que estão muito próximos de etapas ou vivências importantes para os filhos, como a proximidade da época de exames, a perda ou morte próxima de um familiar, a recente entrada para a escola.

Há alguma maneira especial de comunicar uma separação aos filhos? A melhor maneira é ir directo ao assunto. As palavras devem ser simples, mas francas. De início, as explicações não precisam de ser muito elaboradas. Deve-se sempre assegurar que o amor dos pais pelos filhos não cessa ou termina por acabar a relação. É fundamental transmitir a ideia de que as crianças não têm que tomar parte do conflito. Para além de tudo isto é importante ouvir o que os filhos têm para dizer, responder às suas dúvidas e deixá-las expressar livremente os seus sentimentos.

Quem o deve fazer? Devem ser sempre os pais a comunicar a separação. Se possível é importante que os dois possam estar presentes. Se, de início, a decisão for unilateral, deve ser o progenitor que assumiu a situação fazê-lo. No entanto, há pais que nunca assumem a quebra da relação, mesmo quando esta implica a sua saída de casa ou o início de novas relações. Nesses casos, cabe a quem fica mais perto comunicar a separação.

A separação provoca sempre sofrimento emocional nos filhos? Qualquer separação implica a necessidade de um longo trabalho emocional de adaptação a uma nova realidade, com perdas, ausências, reajustes, que nem sempre são fáceis para quem os vive. Mesmo quando os filhos se apercebem de um clima anterior de zanga, conflito, frieza ou indiferença entre os pais, é vulgar existir uma expectativa de mudança, de regresso a um qualquer ponto anterior ou quase original do relacionamento dos pais. No entanto, quando a relação do casal é tão abertamente conflitual ou agressiva, quando um dos pais é reconhecido pelos filhos pela perturbação da qualidade de relação é que o sofrimento provocado por uma separação é minorado. Não só pela sensação de protecção e alívio como pela diminuição ou mesmo desaparecimento desse foco de mal-estar diário. Um sofrimento não resolvido pode ser a base de perturbações importantes e duradouras na infância e adolescência.

Há separações que deixam marcas para sempre? A forma como uma separação pode deixar marcas duradouras nos filhos depende sempre da maneira como os adultos souberam preservar os mais novos do impacto negativo da situação.

Devem os filhos saber todas as razões da separação? É útil e necessário existir uma distinção de gerações, de estatuto e de papéis entre os mais novos e os mais velhos. Pais e filhos podem e devem partilhar entre si múltiplas áreas das suas vidas, mas deve também manter-se sempre uma diferença entre partes que são específicas de cada um. Pais e filhos não devem ser companheiros, nem confidentes uns dos outros. Das razões que levam a uma separação haverá sempre algumas que se podem transmitir aos filhos, mas haverá outras que só ao casal importam.

A custódia partilhada é o modelo ideal? Simboliza, acima de tudo, uma responsabilidade conjunta no exercício das responsabilidades parentais. Representa a possibilidade de, com em igual peso, ambos os pais poderem decidir sobre o que desejam para os filhos. Mas também exige uma boa capacidade de comunicação e diálogo entre os pais, mesmo quando há conflitualidade e distância.

Hoje em dia, existe a tendência para se ligar a ideia de custódia partilhada à divisão igualitária de tempos de contacto com o pai e com a mãe. Não é verdade e muito menos representa sempre o modelo ideal. Para muitas crianças e adolescentes, repartir a casa do pai e da mãe implica uma certa maturidade emocional, uma boa segurança e autonomia em relação às figuras principais de vinculação e, muitas vezes, a capacidade de gestão autónoma de questões de organização diária, como roupa e material escolar, entre outras. Esse modelo não é aconselhável em crianças de muito baixa idade, sobretudo nos primeiros três a seis anos de vida, pois são muito dependentes e autolimitados nas suas tarefas de autonomia, nas referências espaciais e temporais, na linguagem e até na própria relação, mesmo quando ela passa pela comunicação verbal.

Depois da separação, é proveitoso continuarem a estar todos juntos em fins-de-semana, férias ou noutras ocasiões? Se existe uma separação, então não é bom falsear a situação perante os filhos. Eles esperam dos pais uma posição de clareza e honestidade que lhes reforce a confiança e a segurança relacional e que, mesmo sendo difícil de assumir ou transmitir, é mais positiva do que a falsidade, a omissão ou a distorção. Há situações em que os pais podem e devem comparecer em conjunto, como nos aniversários, reuniões ou festas escolares ou outras que as crianças solicitarem.

"Cândida Santos Silva"

domingo, 25 de maio de 2014

Topo Gigio - Oh Sole Mio


As crianças necessitam de regras − coerentes, constantes e claras − sejam elas trazidas pela mãe ou pelo pai.


1.As crianças necessitam de regras − coerentes, constantes e claras − sejam elas trazidas pela mãe ou pelo pai.

2. As regras da mãe e do pai, para serem saudáveis, não podem ser (milimetricamente) iguais. Precisam de zonas de tensão, climas duma certa aragenzinha do género: “Querem lá ver que me está a desautorizar...” e de muita manha das crianças: quer quando falam para dentro e, duma forma angélica, presumem que se o pai não disse que não (mesmo que não tenha conseguido discernir a pergunta) é porque está de acordo com ela, quer quando dizem à mãe (tipo cachorro abandonado): “Eu queria uma coisa... mas tu não vais deixar...” (que, depois de repetida três vezes, faz com que qualquer mãe diga “Sim!!!!!!” seja ao que for). Para serem saudáveis, as regras da mãe e do pai não têm que ser um exemplo de unicidade. Precisamente, unicamente, de encontrar nos gestos de um e do outro um mínimo denominador comum.

3. As regras dos pais, ao pé das dos avós, têm sempre “voto de qualidade”. Que as regras dos avós sejam açucaradas é bom; até porque traz contraditório a alguns excessos dos pais. Que em presença de um dos pais, valham as regras dos avós, não há melhor incentivo à confusão.

4. Para as regras dos pais serem apuradas, eles precisam de esgotar, de vez em quando, as quotas de parvoíce a que todas as pessoas têm direito. Pais que nunca se enganam podem ter como aspiração ser bons governantes... Mas são maus pais.

5. Todos os pais, de coração grande, têm (por isso mesmo) a cabeça quente. Exageram, portanto, algumas vezes. Mesmo quando, duma forma ternurenta, mandam as crianças de quarentena para o quarto para pensarem nas asneiras que fizeram (que, à escala do crime económico, vale tanto como desterrar um infrator nas Ilhas Caimão para reconsiderar sobre tudo aquilo que subtraiu à margem da Lei).

6. As regras não se explicam, não se negoceiam nem se justificam. Muito menos, constantemente. Explicação será exceção. A baliza de referência para todas as regras serão os comportamentos dos pais: não é credível que os pais exijam aquilo que eles próprios, um com o outro ou com terceiros, não façam, regularmente.

7. As regras exigem-se. Não se solicitam. E essa exigência deve fazer-se de forma firme e serena.

8. Às regras não se pode chegar depois de muitas ameaças, admoestações ou avisos. E, muito menos, com decibéis em excesso ou na companhia dum olhar assustado por parte dos pais. Se fosse assim, os pais exigiriam serenidade e bom senso com a boca e alarmismo, inflamação e ira, com o seu olhar (ora hostil ora assustado). E, num caso desses, as crianças assustar-se-iam e, em função disso, tenderiam a reagir como um animal encurralado...

9. Autoridade é um exercício de bondade. Exercê-la a medo é pedir desculpa por ser bondoso.

10. Depois duma criança ser avisada duas vezes, as regras dos pais têm de se cumprir. Isto é, têm mesmo de ser levadas a efeito. Ora, se os pais avisam e não cumprem, se avisam e reagem a uma falha com mais avisos, ou se avisam e, de seguida, são desmedidos no exercício da sua justiça, tudo fica confuso e inconsequente.

11. Os pais não podem zangar-se como quem promove pagamentos por conta. Na versão do velho Oeste isso significaria: dispara primeiro e pergunta depois. Isto é: não podem zangar-se por antecipação, na esperança de que isso promova a justiça. E não podem, diante duma mesma infração, hoje, zangarem-se e, amanhã, nem por isso. Porque, ao acumularem zanga, deixam passar situações que precisariam de ser claramente repreendidas para que reajam, mais tarde, diante doutras quase insignificantes. À escala da política tributária, isso significaria zangas com juros de mora. E ninguém consegue ser justo cobrando juros sobre juros a quem quer que seja...

12. Sempre que os pais se sentem muito magoados diante dum qualquer ato dum filho, estão proibidos de reagir num impulso. É melhor parecerem vacilar em tempo real e, depois da mãe e do pai conferenciarem, mais logo, ao jantar, a coima ser clara e inequívoca.

13. A regra será: sempre que o comportamento dos filhos magoe os pais eles estão obrigados a reagir. Sempre! Magoar os pais e não ter − numa repreensão, num castigo, ou numa palmada no rabo, excecional − uma forma de sinalizar o mal que se faz aos pais, através, da dor, como um interdito, é acarinhá-lo, por omissão. No entanto, nenhuma criança se torna má sem que os pais - por aflição, por exemplo - não promovam, sem querer, várias maldades.

14. Atribuir-se a culpa dos atos duma criança ao outro dos pais ou aos avós, por exemplo, é uma forma de fugir à responsabilidade. Em caso de dúvida em relação às regras da mãe e do pai, ou dos pais e dos avós, todas as crianças elevam a fasquia das asneiras, na ânsia de verem os pais, sempre que elas passam por um nível seguinte, a conseguirem ser justos.

15. Diante das asneiras das crianças, vale pouco que os pais abusem nos castigos. Se os castigos forem ocasionais e adequados à infração, nada se perde. Se forem desmedidos ou repetidos são insensatos. Na verdade, sempre que os pais dominam a situação, em tempo real, os castigos deixam de ser precisos logo que os pais passam de verde para amarelo.

16. Se os pais exercem a autoridade a medo, assustam. Pais assustados, tornam as crianças assustadiças. Isto é, capazes de reagir de forma desafiante sempre que se sentem encurraladas entre os seus medos e os medos dos pais.

17. Se os pais exercem a autoridade de forma pesada e deprimida, assustam, também. Porque à tristeza contida dos pais chama-se hostilidade. E essa hostilidade, associada a um ralhete, onera uma repreensão com sobretaxas que se tornam enigmáticas (e injustas) para as crianças.

18. Se os pais, em vez de se zangarem, ameaçam que ficam tristes, estão a dizer às crianças que elas os magoam (e isso, regra geral, elas já sabem). E, claro, que são de porcelana, quando se trata de as proteger e reagir. Pais deprimidos são, por isso mesmo, mais abandónicos do que parecem. São amigos do queixume, mas pouco pais, portanto.

19. Se os pais não se zangam mas amuam, estão a fazer duma família uma escola de rancores. Rancor é ressentimento e ira, numa relação de dois em um. E isso torna os pais mais assustadores do que quando se esganiçam e exageram.

20. Por tudo isto, é claro que por trás duma criança difícil está um adulto em dificuldades. Mas por trás duma outra exemplar estão pais mais ou menos tirânicos. Da mesma forma, por trás duma criança certinha está alguém mais ou menos assustado que, por exigências exageradas, ainda não pôde experimentar que a função fundamental dum filho é pôr problemas aos pais.

21. A autoridade é um exercício de bondade. Aceita-se quando nos chega pela mão de quem nos ama ou das pessoas que admiramos. Mesmo que as crianças, num primeiro momento, a desafiem, que é uma forma de, por cada não (“não me doeu”, “não ouvi”, e assim sucessivamente) afirmarem (que ela só tem sentido) duas vezes. Seja como for, a autoridade pressupõe sabedoria, bondade e sentido de justiça. E nenhuma criança, nenhuma mesmo, a rejeita. Mesmo que ela chegue mediada por alguma dor. Ninguém aprende sem alguma dor.
Como eu gosto dizer, a dor é o sal da sabedoria.

Autor: Eduardo Sá
in pais&filhos 

sexta-feira, 23 de maio de 2014

As Crianças e os seus Segredos

Trabalhar com emoções e sentimentos da arte-terapia ainda é pouco comum nas escolas. Técnicos realçam potencialidades do método para identificar problemas.

O lápis e o papel branco. A arte-terapeuta Mónica Mariano começa com o material mais familiar para se dar a conhecer ao grupo de seis crianças do 2.º e 3.º anos de escolaridade do 1.º ciclo do Ensino Básico. Os mais pequenos desenham e são estimulados a falar do que lhes vai na alma. Do papel para o barro, do barro para pinturas em papel cenário. Constroem-se casas em cartão, usam-se aguarelas para controlar as tintas mais líquidas. Há berlindes colocados na folha no momento do desenho para que se lide com a frustração de não se conseguir pintar o que se quer. Neste momento, a arte-terapeuta trabalha com marionetas numa das EB1 de Loulé, no Algarve. Mónica Mariano está a realizar o estágio do curso de arte-terapia. Pediu à escola de Loulé que indicasse quais os alunos que tinham problemas ao nível da aprendizagem e do comportamento. Entrevistou as crianças e os pais e selecionou o grupo com o qual trabalha algumas horas por semana.

É preciso ajustar o método, escolher a arte mais adequada ao grupo. Mónica Mariano adianta que o que se passa dentro das quatro paredes da sala é guardado convenientemente. A arte-terapeuta não entra em grandes pormenores com os pais ou encarregados de educação. Aos professores vai perguntando se há ou não progressos. "Não entro em muitos pormenores. A criança está, de alguma forma, a entregar alguns segredos", explica. "Não vou muito ao detalhe porque a criança precisa dessa confiança", acrescenta. Trabalham-se emoções escondidas, sentimentos guardados que se exteriorizam através dos materiais que são colocados nas mãos. "As crianças podem pintar de outra forma, fazer outra coisa, sem ter de falar das emoções." No fundo, salienta, "trabalha-se mais a criança na sua espontaneidade". Para Mónica Mariano, "a arte-terapia funciona muito bem nas escolas, até em termos de adolescentes porque é um momento que têm para se exprimir, para falar dos seus problemas de uma forma mais livre, não estando restringidos às regras da escola". "É uma forma fantástica de falar das emoções e dos sentimentos", conclui.

Cristina Cruz é arte-psicoterapeuta há seis anos. Exerce psicologia e arte-terapia na EB 2,3 dos Louros na Madeira. Trabalha com alunos dos 10 aos 17 anos, do ensino regular e que frequentam cursos de Educação Formação. Uma sessão de arte-terapia tem três fases. "A primeira de acolhimento das crianças ou dos adolescentes (como foi a semana, acontecimentos especiais de algum aluno); a fase de desenvolvimento onde cada participante expõe as suas angústias de forma expressiva (pintura, escrita criativa, tabuleiro areia, dramatização, colagens), onde depois vamos explorar os sentimentos e emoções de cada um; a fase do encerramento, na qual tentamos conter e sustentar tudo o que se passou na sessão para todos se sentirem acolhidos."

Cristina Cruz considera que a arte-terapia pode ser desenvolvida em qualquer faixa etária. E há frutos que vão sendo colhidos. "O desenvolvimento da criatividade nas crianças e adolescentes proporciona-lhes uma integração diferente da sua forma de percecionar o meio que os rodeia. De tal forma, que os mediadores da arte-terapia criam um leque de abertura para o próprio self", realça. Na sua perspetiva, há escolas que resistem a abrir a porta a essas experiências. "Penso que nem todas as escolas estão recetivas para esta intervenção. Na escola em que trabalho há uma grande recetividade para a mudança, logo tudo o que surge de novo, e que tenha resultados positivos, é bastante aceite", refere.

Irene Monteiro é psicóloga e está a terminar a formação de arte-terapia. Neste momento, trabalha com um grupo de vítimas de violência doméstica num projeto social. A técnica reconhece que a prática é relativamente nova e que, regra geral, ainda não faz parte de um projeto educativo alternativo. "A arte-terapia pode ser muito útil em contexto escolar porque pode trabalhar com uma população de crianças de risco, em risco de abandono escolar, com dificuldades de aprendizagem, com necessidades educativas especiais." "A intervenção da arte-terapia tem um carácter de tratamento quando há uma problemática instalada. A componente de integração é muito útil", afirma.

Irene Monteiro realça o que a metodologia em que a terapia dá as mãos à arte "trabalha muito de afetos, trabalha questões do foro emocional". "Nas necessidades educativas especiais, a intervenção é muito centrada nos défices cognitivos e a parte emocional, relacional, fica de fora", sublinha. "Na arte-terapia cabem muitas atividades, o que a diferencia é depois o que é feito sobre essas atividades. O arte-terapeuta não é alguém que diz à criança para fazer assim ou de forma diferente, que lhe diz que está bem ou que está mal", acrescenta.

O psicólogo Hugo Cruz usa a arte para trabalhar com alguns alunos recorrendo ao teatro-fórum. A partir de uma peça de teatro, os alunos podem trocar de papéis para mudarem o rumo da história, para tentar resolver problemas identificados na representação. Usa a arte e não a terapia numa lógica, explica, "mais preventiva e educativa e não tanto remediativa". A violência doméstica é o tema que tem percorrido vários estabelecimentos de ensino do concelho de Santa Maria da Feira, onde Hugo Cruz coordena o projeto municipal Direitos & Desafios. O psicólogo afirma que a arte-terapia faz todo o sentido nas escolas. "Pode ser um excelente instrumento para exteriorizar emoções relacionadas com as vivências na escola." "O facto de se ter uma má nota tem uma carga emocional e uma implicação muito fortes", alerta.

A arte-terapia ainda é pouco utilizada nas escolas portuguesas. Esta relação particular entre o sujeito, o objeto de arte e o terapeuta não consta nos planos curriculares. A metodologia é bastante abrangente, uma vez que recorre a diversas componentes artísticas como pintura, desenho, jogos, marionetas, música, expressão corporal, poesia, escrita livre e criativa, colagens, modelagens. Tudo o que estiver ao alcance para abordar emoções e sentimentos. O objeto de arte serve sobretudo para mediar as expressões.

Nas contas feitas pela Sociedade Portuguesa de Arte-Terapia (SPAT) há, neste momento, oito estabelecimentos de ensino a recorrerem a esta prática. "Temos vários membros a atuar em contexto escolar. No Porto, na Grande Lisboa, no Algarve, na Madeira, com grupos diversos em termos de idade, classe social, problemática, etc. A receção desse tipo de intervenção costuma ser muito boa. Não é mais solicitada por desconhecimento por parte dos profissionais de educação", adianta Daniela Martins, da SPAT. A responsável defende que a arte-terapia deve ser usada em contexto escolar, abrangendo todas as faixas etárias. "As situações podem ser diversas, dependendo do objetivo do trabalho: apoio à aprendizagem, comportamento, desenvolvimento criativo e pessoal, apoio à educação especial, apoio ao desenvolvimento motor, problemáticas específicas do foro psiquiátrico, etc."

No caso concreto das necessidades educativas especiais, Daniela Martins realça que o método pode trazer vantagens ao nível do "apoio ao desenvolvimento cognitivo/motor, apoio à aprendizagem, criação de um espaço de confiança para liberação da dor, facilitar a espontaneidade, trabalhar questões relativas à eventual exclusão social, estimulação sensorial". "A arte-terapia costuma ser muito bem recebida nas escolas, com a utilização das mais variadas técnicas: expressão plástica, musical, dramática, corporal", remata.

Sara R. Oliveira

domingo, 18 de maio de 2014

A Turma do Balão Mágico e Djavan

Esta música é dedicada a todos os meus Alunos.
Nunca deixem de Sonhar, estudem muito porque só
assim poderão ser Pessoas Livres para concretizarem
os vossos Sonhos, serem Felizes e contribuírem para
um Mundo Melhor e mais Justo, onde cada Ser
Humano possa ser valorizado e respeitado, 
independentemente da cor da pele, religião, 
cultura...onde o SER, prevaleça ao TER, que os 
Valores Morais prevaleçam aos valores materiais. 
Acredito em cada um de Vós meus queridos. 
Creio que, independentemente, da longa "estrada"
que cada um irá percorrer, todos irão 
conseguir concretizar os vossos
 Sonhos, por mais árduo que seja o 
caminho escolhido.
Um ABRAÇO do tamanho do Universo para 
TODOS!!!!
A Vossa professora,
Mariana Emídio



Divisão com um algarismo no divisor


sexta-feira, 16 de maio de 2014

O Planeta Limpo - Vamos Reciclar


domingo, 11 de maio de 2014

Bom Domingo na companhia do Topo Gigio!!!


sábado, 10 de maio de 2014

A SAÚDE MENTAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES


Segundo o Expresso, os problemas de saúde mental nas crianças parecem estar a aumentar. Em 2013 registaram-se cerca de 20 000 novas consultas de pedopsiquiatria, mais 30% que em 2011. É um indicador preocupante e ainda mais preocupante pela inexistência de resposta adequada e acessível para muitas crianças e adolescentes.
Recordo que em Março foi noticiada a interrupção dos apoios a crianças e adolescentes da região do Algarve pois o programa de que beneficiavam, Grupos de Apoio à Saúde Mental Infantil, que já tinha merecido prémios de boas práticas, foi suspenso em vez de ser generalizado. Esta suspensão foi obviamente sentida com grande inquietação por famílias e profissionais.
Em 2012 esteve em Portugal um especialista nesta área, Peter Wilson, que, naturalmente, referia a necessidade de que nas escolas e na comunidade próxima existam apoios aos professores, às famílias e às crianças com dificuldades emocionais, a única forma, entende, apoiado na sua experiência, de minimizar e ajudar neste tipo de problemas que, não sendo acautelados, têm quase sempre efeitos devastadores em termos pessoais e sociais. Segundo Peter Wilson, os estudos em Inglaterra sugerem a existência de três crianças com problemas do foro emocional em cada sala de aula pelo que o apoio é muito mais eficaz e económico prestado na escola ou na comunidade próxima a alunos, famílias e professores. Este entendimento é partilhado, creio, pela generalidade dos profissionais e famílias, também em Portugal e os dados hoje divulgado pelo Expresso sublinham esta ideia.
Suspender um programa de apoio a situações de doença mental em crianças e adolescentes, reconhecidamente de qualidade, é algo de inquietante.
No entanto, não é a única razão de inquietação neste universo.
Há alguns meses a imprensa referia a inexistência de camas nos serviços de pedopsiquiatria que possam acomodar adolescentes em tratamento o que leva a que em muitas circunstâncias adolescentes sejam internados em serviços de adultos o que na opinião dos especialistas pode ser uma experiência "traumatizante" sendo, aliás, contrárias às boas práticas de qualquer país civilizado em matéria de saúde mental. A propósito recordo que de acordo com o relatório "Portugal Saúde Mental em Números 2013", só 16,2% das pessoas com perturbações mentais ligeiras e 33,8% das que sofrem de perturbações moderadas recebem tratamento em Portugal.
Por outro lado é também conhecida a enorme dificuldade que muitas instituições que acolhem menores estão a passar dificultando a resposta com a qualidade bem como a possibilidade de responder a novas situações.
Está nos livros e nas experiências que em situação de crise os mais vulneráveis, crianças e adolescentes, por exemplo, são, justamente, os mais sofredores com as dificuldades.
Miúdos que estão em famílias ou chegam às instituições e necessitam de um aconchego, um ninho e uma qualidade de vida que a família, por diversas razões, não sabe, não quer ou não é capaz de providenciar, podem sofrer uma nova penalização com riscos fortíssimos de compromisso do seu futuro.
As crianças e adolescentes com perturbações da sua saúde mental, casos em crescimento, precisam, imprescindivelmente de ser acolhidos e apoiados de forma adequada. Essa é também uma responsabilidade das comunidades e de quem lidera.
Como o povo diz, sobra sempre para os mesmos.

José Morgado
in http://atentainquietude.blogspot.pt/ 


sexta-feira, 9 de maio de 2014

A piscina do Popeye